PUBLICIDADE

Colunistas


Teclando

Segunda-Feira, 17/09/2018 às 11:19, por Luiz Carlos Schneider

Da racionalidade à docilidade
Ainda pequeninos, tudo aquilo que se passava em nossas mentes já chegava embalado pelos costumes e rotulado pelas forças do bem ou do mal. A embalagem na maioria das circunstâncias era compulsória. Ainda é, pois as crianças continuam recebendo informações já adequadas aos grupos sociais de origem. São condicionamentos para moldar nossas condutas religiosas, políticas e até mesmo esportivas. Os ancestrais continuam determinando como deverá ser o nosso comportamento em sociedade. Não questiono a validade da hereditariedade na boa educação dos filhos. O ruim é que, dentro dessas embalagens, o raciocínio lógico fica amordaçado e não permite o desenvolvimento do senso crítico. Somos moldados, ou seja, modificados pelas palavras que ouvimos em casa e na rua. O molde vai endurecendo e, com o passar dos anos, assume a condição de uma armadura intransponível. Consequentemente, a nossa cadeia de neurônios perde a sua disposição natural para questionar. Ora, assim ocorre o arrefecimento da curiosidade na personalidade. Ganhamos antolhos que não nos permitem olhar para os lados e perdemos nossa natural disposição em contestar. Desta forma há uma diminuição na capacidade de raciocínio. E essa diminuição na racionalidade acaba compensada por um aumento da docilidade.

O bem e o mal
Convivemos entre bons e maus, mas somos dóceis, controláveis e aceitamos as rotulações impostas pela sociedade. Deglutimos pacificamente uma razão asséptica que é pulverizada sobre o coletivo. Não contestamos a divulgação massiva. Ao contrário, nós acreditamos em tudo, pois fomos doutrinados para abominar o mal e agir pelo bem. Porém, não buscamos uma razão própria, pois a nossa capacidade racional já está embalsamada. Desta forma, em períodos eleitorais, encontramos pela frente uma prateleira de nomes com os rótulos do bem e do mal. E é exatamente aí que reside o grande perigo. Além da data de validade, necessitamos conhecer a autenticidade desses rótulos. São imagens feitas por seres humanos que tanto podem ser bons como maus. No mínimo necessitamos raciocinar para saber de onde eles vieram. Sem raciocínio não há senso crítico e, assim, é impossível saber quem representa o bem e quem representa o mal.

Iracélio
Figurinha reforçada e carimbada do Bar Oásis, Iracélio circulou pela Capital no final de semana. Antes de assistir a vitória do Grêmio na Arena, foi visitar a Estátua do Laçador. Iracélio, mais conhecido por Turcão, carrega no sangue uma disposição compulsória para um brique. Sua próxima investida será propor uma troca de monumentos: o Laçador de Porto Alegre pela Caravela de Passo Fundo. Iracélio ainda pretende levar uma grana de volta na transação, pois entende que a Caravela pode carregar vários laçadores. Tem lógica. Vai que dá?

Barulho
O circo foi embora e levou seus barulhentos carros de som. Mas não deu tempo de esgotar os ouvidos, pois já chegaram os alto-falantes da campanha política. Uma pena que não apareçam políticos dispostos a acabar com a barulheira.

Trilha sonora
E dizer que lá por 1966 a gente ligava o rádio e escutava Dusty Springfield -
You Don't Have To Say You Love Me
Use o link ou clique 
https://bit.ly/2pdT0mk

 




Teclando

Segunda-Feira, 10/09/2018 às 06:00, por Luiz Carlos Schneider

 

O triste fim das marquises
Cada vez fica mais difícil caminhar pelas calçadas de Passo Fundo. O espaço que deveria ser um passeio público foi transformado em mercado público. As calçadas são obstaculizadas através de ações itinerantes ou estabelecidas. A ação dos ambulantes oferece nuances especiais, lembrando as ruas enfeitadas com serragens coloridas para uma procissão. Um trabalho tridimensional, onde roupas, calçados e acessórios ainda ganham acompanhamento de pequenos aparelhos sonoros. Na prática, nós temos tapetes não-persas que até lembram um mercado persa, porém bem distantes da arte da antiga Pérsia. Pena que não contamos com tapetes voadores para passar por cima da quinquilharia. Já as ações estabelecidas se subdividem em vitrines a céu aberto e publicidade ostensiva. As vitrines a céu aberto são montadas sobre parte das calçadas para expor fogões, geladeiras, sofás e até enormes camas de casal. Já a publicidade ostensiva é feita com placas sobre o passeio público, mercadorias penduradas sobre a calçada e inoportunos vendedores de chips para celular ou de planos de sorteios. Ao desviar das mercadorias, esbarramos nas pessoas ou somos obrigados a caminhar na chuva. As marquises, que seriam para proteção e conforto dos pedestres, foram usurpadas. O lado bom é que, sem a proteção das marquises, recebemos a vitamina D do sol e hidratamos os cabelos com a água da chuva.

Mesa Um

Na semana passada foi realizada a Sessão Solene Ordinária da Mesa Um do Bar Oásis. Tendo como paraninfo o Dr. Luiz Juarez Nogueira de Azevedo, a seleta confraria reuniu-se no Restaurante Menta. Quórum elevado na afluência e no quilate. Um encontro histórico da Mesa Um que recebeu ilustres convidados. Tivemos o privilégio de conversar com o Dr. Augusto Trein, saudado, através de Medida Provisória, pelo presidente Ruy Donadussi. Também bateu ponto Múcio de Castro Filho, que aplaudiu o cardápio do sempre querido Ricardo Menta. O professor Juarez, que esteve acompanhado dos filhos Luciano e Aurélio, conseguiu reunir homens de fé pública, homens públicos e amigos de fé.

 

Iracélio
Personagem ao vivo e em cores do Oásis, Iracélio é um questionador nato. Mais conhecido pelo grande público como Turcão, atua no transporte executivo e está sempre de olho no comércio exterior. Ele não deixa de dar um pitaco do futebol à astrofísica. Nos últimos dias, de ouvidos atentos ao papo que rolava no bar, Iracélio estava intrigado com o badalado evento programado para o próximo domingo. Contestador precipitado, ouviu uma coisa e já interpretou a sua maneira. Preocupado, ele queria saber o que vai ser o “Achado Antagônico”? Foi difícil para o Lú explicar. Mas, com o auxilio do Acioly, finalmente ficou esclarecido que o correto é Assado Patagônico, programado para o espaço Calafat. Mistério elucidado e Iracélio, já de olho numa grana, está pensando em colocar a van no trecho Centro-São João.


Trilha sonora
Um cineasta na Academia Brasileira de Letras. O novo imortal é Cacá Diegues, que colocou as mais brasileiras palavras nos personagens de filmes como Bye Bye Brasil, Chica da Silva, Quando o Carnaval Chegar etc. A música título, de Chico Buarque, para o filme que Cacá rodou em 1973: Jeanne Moreau - Joanna Francesa
Use o link ou clique
https://bit.ly/2oTs7DS

 




Teclando

Segunda-Feira, 03/09/2018 às 07:01, por Luiz Carlos Schneider

As previsíveis previsões
Dos pequenos alagamentos às inundações, as chuvas sempre deixam consequências no mínimo desagradáveis, quando não perigosas. Um volume excessivo de chuva até poderia servir de justificativa para esses problemas. Mas não é um argumento lógico. Chuvas fortes e temporais não são constantes, mas são ocorrências cíclicas. Ora, se sabemos que de tempos em tempos enfrentaremos uma chuvarada, não é mais um fenômeno. Nem acidental, pois são ocorrências bem previsíveis. Assim, devemos estar muito bem preparados para enfrentar essas situações que, sabidamente, acontecerão. Ora, então necessitamos de uma infraestrutura maior para suportar essas chuvaradas. Um planejamento que começa pelos telhados, passa pelas calhas, calçadas, sarjetas e bocas-de-lobo, para desembocar nos esgotos pluviais. Abro parêntesis (por que esgoto pluvial fede como esgoto cloacal?) fecho parêntesis. Além dos dutos mal dimensionados, a água ainda esbarra no lixo acumulado pela má-educação. Mas logo vem o sol e tudo que fica por debaixo da terra acaba esquecido. Pelo menos até a próxima chuvarada. É uma pena que a chuva não refresque a memória, para pensarmos num futuro em que as águas não mais irão rolar. Chega de imediatismos, vamos olhar para o futuro! Não pelas previsões de uma pitonisa, mas pelos argumentos dos cientistas.

Redes do desrespeito
Enquanto bem-educada, respeitadora e bem-intencionada, a catequese política é bonita e saudável às estruturas da sociedade. Porém, jamais pode desrespeitar à nossa privacidade. A propaganda política quando excessiva é nauseante. Agora provoca enjoos pelas redes sociais, onde o dono de um perfil se dá ao direito de agir como se fosse um marqueteiro de campanha. Quem se utiliza de instrumentos como WhatsApp ou Facebook é vítima compulsória de um bombardeio politiqueiro. Pior para aqueles que estão trabalhando, na correria e aguardando por uma mensagem. Ouvem o sinal, vão conferir e lá está a fotografia de algum candidato. Geralmente, essas imagens vêm acompanhadas de palavras que reunidas não merecem ser uma frase.

Redes da maldade
Essas postagens não têm o mínimo encanto. Perderam a graça, transformaram-se em chatice, sem a mínima consideração e respeito aos incautos destinatários. Porém, além da má-educação, muitas também vêm carregas pela má-fé. Observando as repetitivas expressões de um vocabulário cerceado e cerceador, fica nítida uma origem comum. Chegam carimbadas pela ignorância e, na maioria dos casos, carregadas pela maldade. Além de nos incomodar, ainda ficam nos tirando para bobos. Sim, trazem o absurdo como verdadeiro e mostram o abstrato como concreto. Ou vice-versa. Produzir informações falsas é crime. Repassá-las, idem. Mas como são divulgações repetitivas, através de redes de distribuição, estão enquadradas também em outros crimes. Ou seja, agem criminosamente e ainda enchem-nos o saco. Até quando? Os caminhos da internet permitem rastreamentos para identificar e acompanhar as mensagens. Ora, diante de tantas ferramentas, por que ainda não desmantelaram essas redes? São quadrilhas. E quadrilhas têm chefes.

Trilha sonora
Agradeço ao Paulo Cirne pela preciosa dica. A obra do brasileiro Heitor Villa-Lobos na clássica Fender de um guitarrista inglês (ex-Yes). Steve Howe - Bachianas Brasileiras nº 5

Use o link ou clique
https://bit.ly/2PogOPo




Teclando

Segunda-Feira, 27/08/2018 às 12:02, por Luiz Carlos Schneider

Privacidade escancarada
A privacidade deve ser preservada. É, certamente, a mais rica propriedade de um individuo. Qualquer gesto que a coloque em risco é classificado como uma invasão. Nos últimos anos, acompanhando os avanços cibernéticos, multiplicaram-se os acessos às informações. Diante de tanta acessibilidade, também me sinto desnudado no meu íntimo. A internet é um grande emaranhado sem ponta e sem nó. E nem me refiro aos hackers ou infinitos golpes que se multiplicam. Observem que através de redes sociais, sites de compras, instrumentos de pesquisas ou de buscas, nós deixamos rastros. São enormes pegadas que permitem que sejamos rastreados. Definitivamente, somos monitorados. Não importa a relevância das informações, pois é a nossa privacidade que está sendo invadida. Meus hábitos, gostos, preferências, necessidades ou aspirações não são da conta de ninguém. Os algoritmos e outros instrumentos podem limitar e direcionar os acessos. Obviamente fazem isso tendo como base algumas informações que fornecemos. Cruzam conhecimentos obtidos em nossas navegações e oferecem mercadorias que procuramos recentemente. Ao usarmos um computador ou um smartphone, a cada toque deixamos mais uma pegada que propicia rastros virtuais. Seriam instrumentos para facilitar nossas vidas, buscas, compras etc. Apenas isso?

Somos ficção
Podemos navegar pela internet sem deixar rastro, através de janelas anônimas. Devemos evitar sites de risco, não clicar em tudo que aparece etc. Mas, mesmo com todos esses cuidados, não enxergamos as ramificações das conexões. Até onde somos donos do nosso nariz? Ou, pior, até onde enxergam o nosso rabo? E qual o valor dessas informações? São dados de um conjunto que é determinante na tomada de decisões, beneficiando empresas, governos ou grupos extremistas? Aquilo que considerávamos ficção hoje é realidade. Os instrumentos inovadores, os inacreditáveis meios de controle da sociedade ou as fantásticas máquinas que adivinham pensamentos, saíram das telas do cinema e dos gibis. Hoje nós somos caricatas personagens, mesmo sem sabermos quem escreveu o roteiro ou quem está dirigindo a série sobre nossas próprias vidas.

As inteligências
Nessa invasão de privacidade somos utilizados para consolidar informações consistentes e de altíssimo valor. O problema não seria um simples perfil numa rede social. O que vale é o perfil traçado por uma nova inteligência virtual. Porém, por trás disso, claro, há inteligências humanas. Então fico preocupado, pois não sei quem são esses controladores. E é óbvio que não temos controle diante dessa explosão binária. Somos usuários de serviços, manuseamos uma tecnologia que determina as suas próprias regras e as nossas ações estão limitadas. Nós enviamos informações, mas não sabemos para onde elas vão. Ora, funciona com sentido único. Será que já não haveria um imenso controle central nos monitorando? Eis o grande perigo. Normalmente a ficção de ontem é a realidade de hoje e um alerta para o amanhã.

Trilha sonora
Um quarteto alemão que virou quinteto. É dedicado ao novo tango, mas também ataca de jazz, world music e muita nostalgia. Quadro Nuevo: Paroles, Paroles
Use o link ou clique
https://bit.ly/2MNAMp9




Teclando

Segunda-Feira, 20/08/2018 às 06:00, por Luiz Carlos Schneider

Cumprimentando
As cidades cresceram e perderam algumas características da vida comunitária. Uma delas é o hábito de cumprimentar as pessoas nas ruas. Antigamente os cidadãos saudavam a todos indistintamente. O bom dia não era restrito aos amigos e conhecidos. Sim, a boa educação manda saudar a todas as pessoas. Pode ser um simples olá ou mesmo uma reverência com a cabeça. Mantenho o hábito de cumprimentar os conhecidos. Muitas vezes na dúvida, se conheço ou não conheço alguém, faço o mesmo pelo exercício natural de uma conduta ou apenas por um simples gesto. Observo que alguns, também com emplacamento antigo, mantêm o hábito de cumprimentar. Muitas pessoas eu aposto que não me conhecem, mas me cumprimentam porque são bem-educadas. Saudar é uma reverência aos semelhantes. Pode ser um gesto com a cabeça, com ou sem o auxílio das mãos, sonoro ou silencioso. Quando possível até paramos para um aperto de mãos, um abraço singelo, um exagerado quebra-costelas ou uma troca de beijos. Já na correria, disparamos indagações que expressam o nosso carinho. Tudo bem? Como vai? E aí? Ou simplesmente dizemos o nome da pessoa. Cumprimentar faz bem. Deixar de cumprimentar é uma falta de educação.

Cumprimentos

Que me desculpem aqueles que carregam concepções metropolitanas, mas por aqui neste nosso imenso interior a gente sabe quem é quem. E, quando não sabemos, respeitamos e recepcionamos com um sorriso e um bom dia. Infelizmente, agora, um simples gesto pode ser mal interpretado. Em algumas circunstâncias reside um antagônico risco de avaliação. De um lado observo que muitas pessoas esperam por um cumprimento, porém na antípoda podem compreender como ultraje ou desrespeito. Há circunstâncias em que fica difícil ser elegante, pois puxamos o freio de mão para não avançarmos o sinal. E, diante de um risco interpretativo, ficamos tolhidos no exercício da boa educação. Essa dúbia interpretação dos gestos é repressiva e até pode prejudicar a libido.

Cumprindo

Linda, jovem e com roupa fitness ela vinha em caminhada pela Brasil. Eu fazia o caminho inverso e nos cruzamos na esquina da Bento. Não havia como não observá-la. Exuberante, irradiava tentação com silhueta elegante e um detalhe característico da obra clássica do designer alemão Ferdinand Porsche. Observei muito bem e não consegui disfarçar a minha compulsiva admiração. Então ela retribuiu com um discretíssimo olhar. E foi assim, naquele rápido cruzamento dos olhos quando, automaticamente, mexi a cabeça e os lábios num cumprimento bem acanhado. Sorrindo, ela retribuiu. Pensei que estava rindo da minha conduta, classificando meu gesto como pretencioso ou algo errado. Mas, como os cruzamentos não estão limitados às ruas, ela surgiu do nada no Facebook. Foi muita coincidência, é claro. Ou sorte? Então olhei várias vezes para aquela teclinha ‘adicionar aos amigos’. Respirei fundo, me enchi de coragem e cliquei com força. E, acreditem, ela aceitou! Até aí tudo bem. Mas e agora, o que eu faço?

Trilha sonora
Pavarotti e Annie Lennox cantando juntos? Sim, Pavarotti & Eurythmics: There Must Be An Angel
Use o link ou clique o QR code
https://goo.gl/Pe8VPE




PUBLICIDADE


PUBLICIDADE