PUBLICIDADE

Cidade


Movimento pela Paz

Publicada em: 09/11/2018 - 16:00, por Redação ON

O evento busca reflexões sobre o enfrentamento da violência e da exclusão social, por meio da educação

Contribuir para a restauração da vida, da saúde, da educação e da paz. O Movimento pela Paz Sepé Tiaraju foi lançado no final de outubro em Passo Fundo, e traz diversas atividades que envolvem as escolas municipais e estaduais, além de toda a comunidade. O objetivo é a valorização da educação como instrumento do desenvolvimento pessoal, social e econômico. As oficinas, que envolvem uma gama de reflexões e práticas, contam também com temas curiosos - Podemos ser felizes? Será que vale a pena estudar? Internet Segura, Paz vem do respeito e Seja a paz.

 

O movimento é um forma de resignificar a educação, e enxergá-la de um jeito diferente. “Não somente a educação formal e a educação que traz o conteúdo que a criança precisa para se formar. Mas aquela educação que busca o resgate do auto herói. Muitas vezes, a criança é tida como um problema em determinada escola, e tem dentro de si o porque que está acontecendo. Buscamos ajudá-la a descobrir junto com os educadores a sua missão de vida. Tem oficinas fantáticas, cursos de português, leitura, textos e inclusive que ensinam o adolescente a como se posicionar, por exemplo, em uma entrevista de emprego”, ressalta a promotora de justiça e coordenadora do projeto, Ana Cristina Ferrareze, durante entrevista a UPFTV.


Na visão do Movimento, entre os problemas mais recorrentes na escola estão a violência e a dificuldade de estabelecer um trabalho conjunto entre a instituição escolar, a família e a sociedade em geral. A presença desses problemas leva muitas vezes ao abandono escolar e a reprovação, o que acaba por marginalizar um grande número de estudantes, sobretudo das camadas menos privilegiadas da sociedade. O Sepé Tiaraju propõe mobilizar diversos atores sociais para que juntos desenvolvam ações com vistas ao enfrentamento da violência e da exclusão social, por meio da educação e da construção de uma cultura de paz.


Na sexta-feira (09) serão realizadas 35 oficinas nas escolas públicas do município, sempre ligadas ao tema da paz, da cultura de valores, do resgate de autoestima, em uma contraposição a todas as questões de exclusão, bullying, marginalização e do medo que a sociedade está permeada.”A escola nesse contexto vira um termômetro. O que acontece na casa das crianças e na comunidade vai apontar e aparecer na escola. E a escola precisa estar fortalecida junto com os seus educadores” esclarece Ana.

 

A iniciativa conta com as secretarias de Educação, Saúde e Cidadania e Assistência Social da Prefeitura de Passo Fundo, a Promotoria de Justiça Regional da Educação de Passo Fundo, o Ministério Público, 7ª Coordenadoria de Educação, escolas particulares de Passo Fundo e demais parceiros.

 

Origem
O Movimento teve origem em 2012, na região das Missões. O índio Sepé era um menino comum, que não nasceu herói. Dentro da necessidade, da sua resiliência, da busca de valores e da sua missão de vida, ele se tornou um herói, por resgatar aquilo que entendia como algo bom, de paz e de cultura dos seus ancestrais e antepassados para levar a sua comunidade.

 

Em 2014, Passo Fundo contribuiu para que esse Movimento se expandisse, já que foi considerado o fórum maior do Estado, com mais de 60 oficinas realizadas.

 

Programação
Sexta-feira (09)
Manhã: oficinas simultâneas nas escolas municipais e estaduais
Tarde: atividades na EEEB Nicolau de Araújo Vergueiro, com marta Neves, Patrícia da Silva e Ana Maria Colla, do Movimento Sepé Tiarajú de Porto Alegre
19h30min: atividade lúdica “Encontro de Heróis: Harry e Sepé”, no Teatro do Sesc, com o lançamento do gibi As Rédeas do Destino

Sábado (10) 
9h: mateada com apresentações culturais, lazer e recreação no Parque da Gare (em caso de chuva, acontecerá no Bourbon, no espaço da Feira do Livro)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE



PUBLICIDADE