PUBLICIDADE

MIX


O tradicional assado patagônico

Publicada em: 07/09/2018 - 10:00, por Redação ON ([email protected])

Churrasco argentino, tipicamente preparado com carne de cordeiro e assado em fogueira de chão, precisa de pelo menos oito horas para ficar pronto

O tradicional assado patagônico

Crédito: Divulgação

A aparência quase inóspita da fria cidadezinha de Ushuaia, na Argentina, em nada se manifesta em um dos principais pratos da culinária do extremo austral da América do Sul: o assado patagônico, mais comumente preparado com carne de cordeiro. Criado solto pelos pastos da Patagônia Argentina, o animal oferece uma carne macia e delicada, muito apreciada por sua textura - mas é no tempo de cocção que está a principal característica de um tradicional cordeiro patagônico. Pressa e impaciência são palavras que não podem existir no vocabulário de um assador. Pelo menos oito horas são necessárias para que a carne fique pronta. Outro ponto fundamental é contar com um bom espaço ao ar livre onde uma fogueira de chão possa ser montada. É com o calor dela que o cordeiro, colocado em espetos de ferro em forma de cruz e fincados no chão, será assado de um jeitinho bem patagônico.

Se esse é o tipo de gastronomia que lhe dá água na boca, vale a pena fugir, ao menos uma vez, do bom e velho churrasco gaúcho de domingo e dar uma chance para a especialidade dos ‘hermanos’. Não precisa preparar o território e as pernas para as longas horas de manipulação da carne, se não quiser. No próximo domingo (16), pela primeira vez, Passo Fundo sedia um evento voltado justamente ao assado patagônico. Promovido pela Cerveja Patagônia, no Espaço Calafat, o Da Carne ao Fogo oferece ao público a oportunidade de desgustar a culinária argentina sem abrir mão do conforto e lazer. No evento, que procura unir as pessoas através da experiência gastronômica em torno do fogo e do assado patagônico, o público poderá apreciar um cardápio bastante completo, com entradas, assados e acompanhamentos. Na parte de lazer, os participantes podem usufruir de espaço relax, trilhas para passeio de bicicleta, música, lounges temáticos e espaço kids com recreacionistas.

“Quando escuto o termo ‘assado patagônico’ me vem em mente o nome Francis Mallmann, que acredito ser o precursor desta arte, onde a mesma se detém em assar, de forma rústica, um cordeiro inteiro no fogo de chão. A técnica consiste em assar lentamente o animal de forma que a cocção faça com que as fibras da carne se rompam, dando uma característica suave em relação ao gosto e uma maciez extraordinária”, explica o assador profissional Alvaro Gottlieb, que comandará a preparação das carnes no Da Carne ao Fogo. Como defende o próprio Mallmann, especialista na culinária argentina e considerado um dos melhores profissionais do mundo quando o assunto é a preparação de um bom churrasco, a pressa é a inimiga da carne saborosa.

Menos é mais

Apesar de parecer complicado, Gottlieb esclarece que o preparo do prato é bem simples, basta seguir a antiga técnica. “A palavra certa para o assado patagônico é paciência. É necessário aproximadamente oito a 10 horas de brasa calma. O tempero vai de cada assador, sendo como primordial o sal e limão. Alguns utilizam vinho branco. O cordeiro é assado inteiro, portanto é necessário uma estrutura para deixá-lo aberto. Após quase 10 horas de espera, pode-se dizer que o assado está pronto”. Na opinião do assador, que atua profissionalmente na área há um ano e cinco meses e há mais de 15 de maneira amadora, o mais especial em um assado patagônico é o fato de que, antigamente, quando ele era feito, as comunidades tornavam aquilo um verdadeiro motivo de festa. “Era uma junção em função da cultura, a cultura do fogo. Ao mesmo tempo que o fogo ia assando o cordeiro, o pessoal ficava ao redor para se esquentar e conversar sobre tudo, sendo uma bela forma de confraternização entre pessoas”, conta.

Ainda conforme o assador, o ideal é apreciar o cordeiro de forma simples, sem muitos adendos. “Neste caso, o menos é mais”, ele cita. “Uma boa harmonização para este prato são legumes, cenouras, saladas verdes, pimentões, etc. [Quanto à bebida], a carne de cordeiro pede vinhos encorpados e bem estruturados, como Cabernet Sauvignon. Vinhos tintos em geral são bem-vindos”, recomenda.

 

• Serviço

O que: Da Carne ao Fogo - Assado Patagônico

Onde: Espaço Calafat (RS-324, 188, bairro São João)

Quando: Domingo, 16 de setembro

Horário: das 10h30min às 18h30min

 

• Cardápio do evento

Entrada:

- Linguiça Premium

- Fraldinha/vazio

- Matambre

Assado:

- Cordeiro

- Costelão

- Prime rib

- Chorizo

Legumes/vegetais/acompanhamentos:

- Pimentão recheado com ovos e queijos

- Cenoura

- Abacaxi

- Cebola

- Pão com alho

 

• Ingressos (limitados)

Online: https://bit.ly/2wL9Dd4

Adulto: R$100

Crianças de 7 a 12 anos: R$50

Menores de 7 anos: sem custo.

*O ingresso inclui toda a parte gastronômica. Bebidas cobradas à parte.

 

Palavras-chave:

da carne ao fogo

gastronomia

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE



PUBLICIDADE