PUBLICIDADE

Saúde


Diferenciando a calvice da queda de cabelos

Publicada em: 04/11/2018 - 07:00

As causas vão dos fatores hereditários aos patológicos

Diferenciando a calvice da queda de cabelos

Alguns tipos de queda de cabelo podem iniciar de uma hora para outra

Crédito: Russell Clark-CCO

A queda de cabelos preocupa, pois está aumentando na população mundial. O problema é de saúde, mas também tem consequências fortes na autoestima. A calvice e a queda de cabelos são problemas distintos e merecem atenção diferenciada. A Dra. Juliana Mazzoleni Stramari explica sobre a diferença entre queda de cabelos e calvice. De acordo com a médica dermatologista, que atua no Hospital da Cidade, a queda de cabelo pode ser consequência de várias causas, como quadros fisiológicos (queda normal), quadros transitórios (eflúvios) e também quedas que podem levar a perda permanente dos fios (alopecias cicatriciais), por exemplo. Já a calvície é o termo popular para a alopecia androgenética, que tem como principais fatores relacionados à hereditariedade e a produção de hormônios.

 

Vários fatores
Os fatores que propiciam a queda de cabelos são diversos, podendo ser genéticos, problemas hormonais e da tireóide, deficiências nutricionais e de ferro, uso de algumas medicações, entre outros. É importante salientar que perder um pouco de cabelo no dia-a-dia é normal. Em média, 100 fios de cabelo caem todos os dias, que é quando o ciclo do cabelo chega ao fim. Um ponto importante para detectar uma queda irregular é acompanhar a sua evolução. Uma queda muito abrupta ou uma queda prolongada maior do que três meses, geralmente não são consideradas normais. Alguns tipos de queda de cabelo podem iniciar de uma hora para outra. Um exemplo é a alopecia areata, que pode levar a queda de todos os pelos do corpo, podendo iniciar repentinamente. Já na alopecia androgenética, por exemplo, o quadro tende a ser mais arrastado.

 

Homens
A principal causa nos homens é a alopecia androgenética, que tem como principais fatores envolvidos a genética (hereditariedade) e os hormônios masculinos, podendo iniciar na puberdade e se agravar no decorrer dos anos.

 

Mulheres
A queda de cabelo é uma das queixas mais comuns entre as mulheres, sendo muitas vezes motivo de angústia e de baixa autoestima. Além da alopecia androgenética, existem várias outras causas de queda de cabelo na mulher. Mudanças hormonais e no metabolismo podem levar à queda temporária, o que justifica boa parte dos quadros das mulheres. Essas mudanças podem ocorrer durante a gestação, amamentação e também na menopausa. Também pode ser causada por doenças da tireóide, deficiência de ferro, doenças infecciosas e autoimunes, dietas rigorosas, tração excessiva para prender os cabelos e uso excessivo de produtos químicos, por exemplo.

 

Estresse
O estresse excessivo pode estar sim relacionado à queda, principalmente nos quadros de eflúvio telógeno, que pode ser desencadeado após um estresse maior (perda de um familiar, acidente, hospitalização), por exemplo.


Nutrição e medicamentos
Principalmente dietas rígidas, deficiências de algumas vitaminas e de ferro podem estar relacionadas com a queda de cabelos. Uma alimentação saudável e equilibrada é essencial para a saúde dos cabelos. Algumas medicações para depressão, pressão alta e anticoagulantes podem causar queda de cabelo, além das medicações usadas nas quimioterapias.

 

Diagnóstico
Todos os quadros de queda de cabelo merecem uma investigação. Para definir a causa, é necessária uma boa anamnese e exame físico, analisando todos os fatores que podem estar relacionados. Além disso, exames laboratoriais podem ser solicitados dependendo da queixa e da alteração nos fios. Em alguns casos, pode ser necessária uma biópsia do couro cabeludo.


As formas de tratamento
A queda de cabelo pode ter diversas causas, de modo que o tratamento varia de acordo com o diagnóstico estabelecido pelo médico. Por isso, somente um especialista capacitado pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Nos problemas de tireóide, por exemplo, usar medicações para regular a glândula podem controlar a queda. Da mesma forma, o paciente que está com quadro de deficiência de vitaminas poderá se beneficiar ao se regular o consumo dessas substâncias no organismo. Na calvície, podem ser usadas medicações para diminuir a queda, como o uso da finasterida nos homens, e para estimular o crescimento dos fios, como o minoxidil. O transplante capilar também é uma boa opção para alguns casos. É muito importante procurar um médico caso perceba que o cabelo está caindo, pois pode ser uma queda normal, mas também pode ser um indicador de que a sua saúde não vai bem. E o quanto antes iniciar o tratamento, melhor será o resultado.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE



PUBLICIDADE